ceratocone

A Córnea é uma estrutura transparente localizada na parte anterior do olho e junto com o cristalino tem a função de focar a luz através da pupila até a retina para que as imagens se tornem nítidas.

Um dos requisitos para a boa formação da imagem é que a estrutura da córnea esteja uniforme e sem opacidades, no ceratocone, ocorre um afinamento progressivo desta estrutura o que leva a formação de um astigmatismo irregular muitas vezes acompanhado de miopia e que não é corrigido de maneira satisfatória com óculos ou lentes de contato gelatinosas.

O que é Ceratocone?

O Ceratocone é uma patologia da córnea, hereditária, não inflamatória, bilateral, assimétrica e progressiva, que se caracteriza por uma protrusão central ou paracentral com afinamento e aspecto semelhante a um cone, geralmente inicia-se na adolescência e evolui até por volta dos 35 anos.

Este afinamento provoca uma modificação na anatomia da córnea de modo que a luz ao penetrar em nossos olhos sofre uma distorção que desvia a luz causando uma visão borrada.

Quais os sintomas?

O Ceratocone muitas vezes é difícil de ser detectado, pois, geralmente se inicia na adolescência e progride lentamente. Entretanto, em alguns casos, o ceratocone pode evoluir rapidamente e ter inicio na infância principalmente em crianças com alergia ocular.

Com o tempo, a córnea vai se deformando o que gera miopia e astigmatismo irregular provocando uma visão embaçada e distorcida, letras sombreadas e maior sensibilidade a luz.

Geralmente os oftalmologistas desconfiam do ceratocone, quando os pacientes mudam frequentemente de óculos e não atingem uma visão satisfatória mesmo com a melhor correção óptica, alérgicos que coçam muito os olhos e história de ceratocone na família.


Como é feito o diagnóstico?

• Exame oftalmológico completo com acuidade visual com e sem correção, biomicroscopia, tonometria, fundoscopia e retinoscopia;

Topografia e/ou tomografia de córnea, é um exame essencial para o diagnóstico e acompanhamento do ceratocone, existem diversos modelos com índices próprios para rastreamento do ceratocone, tais como: Eye Sys, Orbscan, Pentacam, Galilei e o Visante OCT.

O que causa o Ceratocone?

1. A predisposição genética, o que explica o motivo do ceratocone afetar mais de um membro na família.

2. Pesquisas recentes sugerem que ocorra um desequilíbrio enzimático no interior da córnea o que causaria um dano oxidativo provocado por radicais livres e desta forma levaria a um enfraquecimento progressivo do tecido corneano.

3. O ceratocone é também associado com exposição excessiva aos raios ultravioletas e ao fator mecânico, como por exemplo, coçar os olhos e lentes de contato mal adaptadas.


Existe alguma doença relacionada ao Ceratocone?

Sim, tais como:
• Síndrome de Down (trissomia do 21)
• Doenças atópicas como: Dermatite atópica, rinite, asma e conjuntivite alérgica primaveril.
• Doenças da retina: amaurose congênita de Leber e retinose pigmentar.
• Doenças do colágeno: Síndrome de Marfan, Síndrome de Ehlers-Danlos e osteogênese imperfeita.


Em que estágio meu Ceratocone se encontra?

O ceratocone pode ser classificado de diversas maneiras: Quanto à localização do cone, a sua forma e a sua curvatura.

Para fins práticos sugerimos a leitura através da curvatura (ceratometria), pois, desta forma podemos classificar em que estágio o ceratocone se encontra e sugerir o tratamento mais apropriado para cada caso.

   Classificação    Leitura Ceratométrica
   Leve    < 45.00D
   Moderado    45.00 a 52.00D
   Avançado    52.00 a 62.00D
   Severo    > 62.00D
Como o Ceratocone evolui?

• A fase inicial ou ceratocone subclínico o diagnóstico pode ser suspeitado através da topografia da córnea. Nessa fase a córnea apresenta um astigmatismo irregular e assimétrico, com uma curvatura mais acentuada na porção mais periférica e inferior, não causando qualquer distorção em sua região central. Por esse motivo, a acuidade visual é pouco afetada podendo a visão ser corrigida com óculos ou lentes de contato de forma satisfatória.

• O cone evolui e tende a atingir a área central, o astigmatismo se acentua a córnea torna-se mais fina e protusa. Nessa fase o ceratocone pode ser diagnosticado a partir de um simples exame de refração pela retinoscopia, ceratometria e/ou de biomicroscopia na lâmpada de fenda. Devido à irregularidade e à assimetria do astigmatismo, os óculos já não serão satisfatórios, desta forma tenta-se a adaptação com lentes de contato rígidas.
• Em fases mais avançadas o ceratocone torna-se tão protuso que inviabiliza o uso de lentes de contato rígidas, pois, elas saltam do olho com extrema facilidade e a chance de atrito com o ápice do cone causa uma ceratite trazendo maior risco ao olho. Nesta fase tentamos outras alternativas tais como o anel intraestromal ou o transplante de córnea.
Como é feito o tratamento?

No ceratocone inicial, óculos ou lentes de contato gelatinosas podem ajudar, mas como a doença progride e a córnea vai afinando causando um astigmatismo irregular os óculos e as lentes de contato gelatinosas já não fornecem uma correção visual adequada.

1.LENTES DE CONTATO

rígidas gás-permeáveis
Se os óculos ou lentes de contato gelatinosas não pode proporcionar uma boa visão, então as lentes rígidas (LCRGP) são a primeira opção. No Hospital de Olhos do RN temos diversos modelos e marcas de lentes de contato rígida, trazendo para você o que há de mais moderno neste segmento e desta forma proporcionamos uma adaptação e uma visão satisfatória na maioria dos casos. Muitos pacientes queixam-se da sensação de corpo estranho (arranhando) após o término da adaptação. A adaptação se dá de forma gradativa até que a córnea melhore sua sensibilidade. Contudo, uma parcela de pacientes não tem uma boa experiência com as lentes e deixam de usá-la.

Para aqueles pacientes com muita queixa relacionadas ao desconforto destas lentes pode-se tentar alternativas como:

Lentes Híbridas (lente com centro rígido e bordas gelatinosas)
Proporcionam mais conforto ao usuário

Adaptação  de lentes em Piggyback
Neste tipo de adaptação coloca-se uma lente de contato gelatinos a e por cima desta uma lente de contato rígida, desta forma a primeira lente funciona como uma almofada dando mais conforto ao usuário. Esta forma de adaptação requer um acompanhamento mais rigoroso com o oftalmologista, pois, a oxigenação da córnea deve ser monitorada de perto.

Lentes esclerais e semi-esclerais
Estas lentes apresentam grandes diâmetros e apoiam-se sobre a esclera (branco do olho), possui a vantagem de não aplicar tanta pressão sobre o cone e desta forma serem mais confortáveis e estáveis quanto ao movimento.


2.. IMPLANTE DO ANEL INTRAESTROMAL (INTACS)

O que é o anel Intraestromal?

Consiste de uma espécie de segmentos semicirculares de tamanho e diâmetros variáveis feito de um material inerte e transparente que são implantados no interior da córnea (estroma). Tem como objetivos básicos regularizar a superfície corneana, melhorar a qualidade óptica e facilitar a adaptação de lentes de contato.


Como o anel atua sobre a córnea?

Com a adição de tecido a meia periferia corneana ocorre um remodelamento corneano, reduzindo desta forma as aberrações ópticas e deslocando o ápice do cone para próximo do centro pupilar

Quais as indicações do anel?

• Pacientes com intolerância ao uso de lentes de contato;
• Ceratocone em evolução;
• Ceratocone com baixa acuidade visual corrigida;
• Astigmatismo irregular pós-ceratotomia radial (RK);
• Degeneração marginal pelúcida;
• Ectasias corneanas pós-cirurgia refrativa (PRK, LASIK);
• Alto astigmatismo pós-transplante penetrante de córnea;
• Irregularidades corneanas pós-trauma.


Quais as contraindicações

• Hidropsia
• Leucoma (cicatriz) corneana central
• Ceratocone com curvatura > 60 D
• Pós-transplante penetrante, quando o botão estiver descentrado.
• Alergia severa
• Síndrome de erosão corneana recorrente
• Alta expectativa de visão sem uso de óculos ou lentes de contato.


Quais as vantagens do anel?

• Adia a necessidade do transplante de córnea
• É reversível
• A cirurgia é rápida e indolor
• Não vai prejudicar se no futuro for necessário um transplante de córnea
• Facilita a adaptação de lentes de contato
• Pode ser realizado combinado com outras técnicas.
• Rápida recuperação, mas alterações refracionais e topográficas só se estabilizam por volta dos três meses.


Como a minha cirurgia será feita e quais os cuidados que devo tomar?

No Hospital de Olhos do RN, sua cirurgia dura em média 40 minutos, utilizamos anestesia tópica (uso de colírio anestésico) e se necessário uma leve sedação. Após a cirurgia você será orientado a utilizar os colírios prescritos e o retorno conforme orientação médica. Geralmente sugerimos afastamento do trabalho por uma semana, mas você poderá assistir TV, ler e utilizar o computador no dia seguinte. Jamais coçar os olhos e utilizará na primeira semana um protetor (espécie de escudo) em acrílico para maior proteção antes de dormir.


3. CROSSLINKING

O Ceratocone é uma doença da córnea caracterizada por afinamento progressivo o que resulta em deterioração da qualidade de visão e também da qualidade de vida.

A doença geralmente começa em adultos jovens, o que afeta os anos mais produtivos da sua vida, até agora não existia nenhuma maneira eficaz de interromper a progressão do ceratocone.

Os métodos atuais, tais como óculos, lentes de contato rígidas alteram apenas os erros de refração sem qualquer efeito sobre a progressão do ceratocone. Estima-se que, eventualmente, 20% dos pacientes com ceratocone necessitam de intervenção cirúrgica para restaurar a anatomia da córnea e acuidade visual.

No Hospital de Olhos do RN realizamos esta nova modalidade de tratamento, baseado no crosslinking do colágeno que com aplicação de luz ultravioleta A (UVA, 365 nm) e o fossensibilizador fosfato de riboflavina tem sido descrito como uma forma de alterar as propriedades biomecânicas da córnea, aumentando sua força em quase 300%. Este aumento na força da córnea mostrou ser eficaz na progressão do ceratocone em numerosos estudos em todo o mundo.


O que é o crosslinkink?

É um novo tratamento para ceratocone, que utiliza um agente fotossensibilizante a riboflavina (vitamina B2) e a exposição de luz ultravioleta (UVA, 365 nm).

Esta nova modalidade de tratamento promove o incremento de novas ligações químicas entre as fibras do colágeno corneano aumento desta forma a sua resistência.

FOTO CROSLINK.jpg


Como é feito o tratamento?

O tratamento é realizado sob anestesia tópica (colírio) e o procedimento dura em média uma hora. O epitélio (camada mais superficial da córnea) é parcialmente removido seguido pela aplicação de gotas de olho Riboflavina por 30 minutos. O olho é então exposto à luz UVA por mais 30 minutos. Após o tratamento, é colocada uma lente de contato que será removida após cinco dias. Colírios analgésicos, antibióticos e antinflamatórios são prescritos e analgésicos orais são necessários por 1 - 2 dias.

FOTO CROSS 1.jpg


Existem contraindicações para o crosslinking?

Sim, não são todos os casos de ceratocone que podem se beneficiar do tratamento, por exemplo, ceratocones avançados (grau três ou quatro), córneas com cicatrizes, paquimetria (espessura) da córnea inferior a 350 micras, portadores de doença do colágeno, mulheres gravidas, pacientes com contagem endotelial (camada mais interna da córnea) inferior a 2000 células.


Quem pode beneficiar-se com o tratamento?

O crosslinking não vai curar o ceratocone, isto deve ser bem esclarecido, pois, após o tratamento os pacientes continuarão a usar óculos ou lentes de contato ou até mesmo realizar outros tipos de tratamento na superfície corneana. Poderá haver queda da qualidade de visão que na maioria dos casos é temporária. Os pacientes que mais se beneficiam são ceratocones iniciais (leve a moderado ), ceratocones frustos pré-clinicos, ectasias pós LASIK e após implantes de anel intraestromal.

O principal objetivo do tratamento é deter a progressão do ceratocone e assim evitar uma maior deterioração da visão e da necessidade de um transplante de córnea.


4.TRANSPLANTE DE CÓRNEA

Para os casos em que o paciente não tolera usar lentes de contato e outras terapias como o anel intraestromal está contraindicado, o transplante de córnea ou ceratoplastia tem a sua indicação. Funciona como a última alternativa para tratamento do ceratocone.

Atualmente o transplante lamelar profundo (espessura parcial da córnea) com a técnica do Big Bubble tem sido preferido, pois, elimina-se um dos grandes problemas do transplante penetrante (espessura total da córnea) que é a rejeição endotelial.

O paciente deve inscrever-se num banco de olhos e aguardar ser chamado, graças a uma maior conscientização da população e ao bom trabalho realizado pelos bancos de olhos do nosso país, a fila de espera reduziu bastante de modo que certos estados já possuem fila zero.

É importante salientar que mesmo depois de um transplante, você provavelmente vai precisar de óculos ou lentes de contato.

Terapias Combinadas

Pode-se recorrer a tratamentos combinados para se alcançar um bom resultado óptico bem como a estabilização do ceratocone.

PRK topoguiado por Wavefront (ceratectomia fotorefrativa) + Crosslinking

Anel Intraestromal + Crosslinking

Anel Intraestromal + PRK

Transplante de Córnea + PRK topoguiado.

Transplante de Córnea + Anel intraestromal

Enfim como se pode observar, somente seu oftalmologista avaliando criteriosamente cada caso pode indicar o tratamento mais adequado.

O serviço de Córnea do Hospital de Olhos do RN está de portas abertas para lhe oferecer as mais diversas formas de tratamento para o ceratocone, faça-nos uma visita.